Como ajudar os seus filhos a desenvolverem competências interpessoais? | Happy Code

Como ajudar os seus filhos a desenvolverem competências interpessoais?

Abril 08, 2018

Todos os pais tentam fazer o melhor para os seus filhos, mas nem sempre é fácil saber como ajudá-los a desenvolverem competência interpessoais. Neste post, vai descobrir como ajudar o seu filho a cultivar essas características. Continue a leitura e fique mais informado sobre este assunto!

Quais são as principais competências interpessoais?
1. Cordialidade

Ser cordial é ser:

  • gentil,
  • educado,
  • respeitoso,
  • tratar com cuidado os colegas e as pessoas ao redor.

Só coisas boas, não é? É uma competência bastante requisitada no mercado de trabalho, já que os profissionais mais cordiais tendem a ser mais produtivos e a ajudar no desenvolvimento de um ambiente mais estável.

2. Objetividade

Estão a ver aquele amigo que está sempre a adiar tudo que tem para fazer e se atrasa sempre com os prazos? Pois uma pessoa objetiva é o oposto disso: faz o que tem que fazer sem procrastinações, entrega as suas tarefas dentro dos prazos e não cria problemas secundários. Quem tem essas características é sempre bem-vindo em grupos profissionais e é sempre muito útil.

3. Responsabilidade

Responsabilidade é uma competência que deve ser desenvolvida, pois, sem ela, as relações não duram muito. Em qualquer área da vida, é importante assumir os erros e arcar com as consequências, assim como transmitir segurança sempre que necessário.

4. Comunicação verbal e não verbal

Saber comunicar é primordial, tanto verbalmente como não verbalmente. Uma boa comunicação envolve empatia, respeito e ética, valores que não podem faltar nas relações sociais.

Saber o que falar, quando falar, como usar palavras para agregar algo de bom às pessoas, como usar gestos, posturas e abraços: essas são as características de uma boa capacidade de comunicação verbal e não verbal.

O que fazer para que o seu filho desenvolva competências interpessoais?
1. Incentive a escuta ativa

Ensine so eu filho a escutar os outros. Estar sempre a falar não é possível!

É importante lembrar que escutar não significa apenas ouvir. Envolve prestar atenção ao que está a ser falado e a respeitar o que os colegas/amigos estão a dizer. Ensine-o a evitar interromper as pessoas e a pensar no que elas dizem.

As pessoas gostam de quem as deixa falar, quem se envolve nos seus assuntos e importa com o que dizem. Saber escutar é a chave para a construção e manutenção de bons relacionamentos.

2. Ensine a capacidade de tomar iniciativas

Ensine o seu filho a tomar iniciativas e assumir riscos. Por exemplo, quando o chefe propõe algo à equipa e ninguém se dispõe a executar, aquele que se destacar por tomar a iniciativa será seguramente considerado um bom funcionário.

Na vida, muitas vezes, é necessário dar um primeiro passo e assumir responsabilidades. Um profissional e ser humano que sabe tomar iniciativas tende a ser muito valorizado pelas pessoas ao redor.

3. Faça com que ele se coloque no lugar do outro

Seja qual for o ambiente que o seu filho frequentar, ele vai precisar de se colocar no lugar do outro. As pessoas gostam de quem pensa como elas e entende as suas dificuldades. Geralmente, elas aceitam apenas (ou melhor) as opiniões e críticas de quem tem essa capacidade.

Uma pessoa que se consegue colocar no lugar do outro é cordial, gentil, sábia e sabe manter relacionamentos sólidos.

4. Ajude-o a criar o hábito de pedir feedbacks

Feedbacks são importantes para sabermos se estamos a fazer a coisa certa ou não. Ter a humildade de pedir feedbacks sobre algo é fundamental, pois vai ajudar o seu filho a saber o que está a fazer de errado e como pode melhorar. Até porque insistir no mesmo erro sem perceber é muito aborrecido.

5. Explique o poder das boas ligações

Para alcançar bons resultados na vida, seja ela profissional, académica ou pessoal, é essencial que se tenham relacionamentos sadios e boas ligações.

Na vida profissional, as boas ligações são aquelas que te estimulam a crescer, te inspiram a chegar a melhores posições. Na académica, da mesma forma. E na pessoal, é bom estar rodeado de pessoas empáticas, que façam críticas construtivas sempre que necessário.

6. Invista em autoconhecimento

Converse com o seu filho sobre a importância de se conhecer, o primeiro passo para criar bons relacionamentos. Afinal, ao conhecer os seus pontos fortes e limites, ele poderá trabalhar melhor a cordialidade, objetividade e outras competências.

Autoconhecimento influencia no controle de emoções, o que é muito útil em ambientes corporativos e trabalhos de grupo. É importante controlar as emoções para não viver a “explodir” a qualquer momento, sem motivo.

7. Incentive o reconhecimento de erros

Reconhecer erros é fundamental para que se evolua. Esta dica está relacionada com a dica 4, já que, além de pedir feedbacks, as pessoas devem olhar para si mesmas e admitir as suas falhas. A humildade é muito importante, pois ajuda-nos a reconhecer que somos humanos, passíveis de erros, mesmo que sejamos muito bons no que fazemos.

8. Mostre a importância de resolver problemas

Oriente o seu filho para que ele desenvolva a capacidade de superar problemas. É necessário que ele aprenda a procurar soluções, analisando factos e informações relevantes, e não desista diante das dificuldades.

É importante desenvolver a competência de observar um problema, verificar as possíveis causas, investigar e pensar em várias soluções.

Assim como o pensamento crítico, uma boa capacidade de solução de problemas é crucial para que as crianças possam estar aptas a preencher vagas no mercado de trabalho.

9. Explique que é preciso fazer bom uso da tecnologia e dos jogos

É certo que as crianças têm facilidade com as novas tecnologias. Por isso, é importante educá-las também sobre essas ferramentas. Se o seu filho já passa bastante tempo a navegar, que tal motivá-lo a procurar conteúdo relevante?

Aulas em vídeo e posts com boas informações são sempre importantes fontes de conhecimento, além das aplicações educativas para telemóvel e tablet. As novas tecnologias podem ajudar no desenvolvimento do pensamento crítico, da capacidade de solução de problemas (dica anterior), da criatividade e de competências vitais, como a leitura e escrita.

Conforme afirma uma reportagem da revista Exame, uma pesquisa da universidade de Denver descobriu que os jogadores tendem a ter uma capacidade de retenção de informações maior do que as pessoas que não jogam. Além disso, os jogos podem ser importantes para o desenvolvimento do pensamento estratégico, a agilidade, o poder de concentração e o trabalho em equipa.

Como vimos neste artigo, precisamos das competências interpessoais para o convívio em sociedade, e é fundamental que as crianças conheçam formas de desenvolvê-las. Confira, noutro post, como as competências tecnológicas também são fundamentais para desenvolver autoconfiança e autoestima entre os pequenos.

 

Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos lecionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de atuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code leciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projetos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.
Para saberes mais, vê os nossos cursos e segue-nos:

 face   insta   twitter    pint

Porque a sua filha deve aprender programaçãoConheça as competências que o seu filho deve aprender