Educação digital: a importância da formação de cidadãos digitais conscientes | Happy Code

Educação digital: a importância da formação de cidadãos digitais conscientes

Junho 27, 2018

É muito comum relacionarmos o termo ”Educação Digital” com aprender a bem manusear computadores, tablets e smartphones. É normal pensar que bem educado digitalmente, é aquele que sabe tirar proveito de todas as funcionalidades oferecidas por estes dispositivos. Aquele que sabe programar então, meu Deus, esse é educado mesmo a sério! Pode, literalmente, dar aula de educação digital!!

Mas, como se costuma dizer, #sqn  (só que não). Educação Digital envolve uma série de outras competências e conhecimentos que são independentes do facto de a pessoa ser muito boa com a tecnologia em si. Uma pessoa pode saber apenas ligar o smartphone, mandar e receber mensagens e ser muito bem educada digitalmente, basta utilizar este recurso de comunicação para, por exemplo, aprender coisas úteis, partilhar notícias relevantes e de fonte fiável, entre outras coisas boas que hoje em dia as novas tecnologias da informação e comunicação nos permitem fazer.

Por outro lado, aquele “tipo” que citámos acima pode dominar muito bem os recursos tecnológicos e usar as redes sociais para, por exemplo, espalhar mentiras, proferir ofensas, entre outras coisas más que as novas tecnologias da informação e comunicação nos permitem fazer.

Mas, o que é mesmo curioso, é ver como algumas pessoas tendem a separar a vida online da off-line, como se fossem mundos diferentes. Simplesmente esquecendo-se do facto que por detrás das telas há pessoas, assim como valores a serem observados e respeitados. Mas, como falar e (sentir) sobre valores neste vasto e tão dinâmico universo digital, onde a pessoa só se lembra das palavrinhas ética e bom-senso depois de clicar em POSTAR?

Para o psicoterapeuta e educador Leo Fraiman, “valores são um espécie de bússola interior que nos aproxima ou afasta das pessoas, experiências e atitudes, percebidas como positivas ou negativas, de acordo com o que é avaliado como importante para nós. É o valor do respeito que nos impede de insultar o outro, é o valor da educação que nos inspira a ser gratos por um favor ou atitude positiva. Quando os valores são ignorados, sofremos com as consequências[1]”.

Pois é justamente sobre este ponto, as consequências, que precisamos falar. A Internet, assim como todos os avanços oferecidos pelas novas tecnologias, abre infinitas portas mas, com a mesma magnitude e poder com que são abertas, podem ser fechadas, pela “mesma Internet” e pior, às vezes para sempre.

Muitas das pessoas que sofreram as consequências de uma atitude impensada na Internet não tiveram, sequer, a oportunidade de se defender ou até mesmo de desfrutar do bónus do arrependimento. Isto por que, enquanto que para o direito, o “eu não que sabia que era crime[2]”, “fui influenciado” podem ser, dependendo de cada situação, atenuantes de uma pena,  para a Internet, não. Perpetuidade e poder de rápida disseminação são algumas das características desta fantástica e por vezes “cruel” evolução.

Não é por acaso que a legislação sobre a Internet estabelece, como um dos princípios básicos da educação, o incentivo ao uso seguro, consciente e responsável da Internet em todos os níveis de ensino, como ferramenta para o exercício da cidadania, promoção da cultura e desenvolvimento tecnológico.

Assim, quando falamos em “Educação Digital”, estamos-nos a referir a uma boa orientação no uso das novas tecnologias, recursos e ferramentas tecnológicas. A vida na sociedade da informação requer preparação, se o que se procura é o melhor aproveitamento de tudo que nos é oferecido, livre dos riscos e prejuízos, que o seu mau uso pode acarretar.

E então, para finalizar, diga-nos: na sua opinião, usa a Internet consciente aquele que:

  • Diz (posta) tudo que pensa, doa a quem doer?
  • Expõe toda a sua vida pessoal e profissional?
  • Faz check-in a todos os lugares que frequenta?
  • Faz like e partilha posts polémicos e mais, sem conhecer sua procedência e veracidade dos fatos relatados?

Afinal, aprender a manusear os aparatos tecnológicos é fácil, o desafio é saber o que fazer com as suas funcionalidades e melhor, dar -lhes significativo sentido.

 

[1] Abrusio, J; Vainzof, R. Educação Digital. São Paulo. Revista dos Tribunais. 2015

[2] Delegado pede prisão preventiva de bloguer por ofensas a bebé com Síndrome de Down
Disponível em: http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/delegado-indicia-blogueira-por-ofensas-a-bebe-com-sindrome-de-down.ghtml

Adaptado de texto de Alessandra Borelli
Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos lecionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de atuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code leciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projetos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.
Para saberes mais, vê os nossos cursos e segue-nos:

 face   insta   twitter    pint

Como a IoT vai mudar o mundo?Movimento Maker: o que é e porque me devo importar?