Porque os pais devem conhecer os YouTubers favoritos dos filhos? | Happy Code

Porque os pais devem conhecer os YouTubers favoritos dos filhos?

Março 23, 2018

Sabiam que os YouTubers são os grandes influenciadores dos jovens? A maioria dos adolescentes de hoje em dia não conhecem sequer os filmes ou desenhos animados desenvolvidos para a sua idade e que estão disponíveis nos canais da TV. Provavelmente nem sequer sabem o que é uma novela, não vêm o Jornal das 8 nem qualquer outro noticiário. A Internet é, definitivamente, o “lugar onde todos querem estar”: é lá que podem encontrar informação, diversão, a possibilidade de comunicar com os amigos e, por vezes, até mesmo alguém que idolatram ou se identificam. Identificam-se?! Como assim?

A ascenção do “YouTuber”

Hoje em dia, existe um novo tipo de ídolo entre as novas gerações, denominado de “YouTuber”. De uma forma espontânea, autêntica e engraçada (na maioria das vezes…), produzem conteúdos e interagem com o público como se, na verdade, estivessem a partilhar uma conversa num espaço físico, como a sala lá de casa. Alguns vídeos soam muito naturais e os tão famosos “YouTubers” expressam-se de uma forma realmente amistosa, como tal tudo parece uma conversa entre dois bons amigos de longa data.

Com todos estes amigos, não há tempo a perder e a conversa é feita sem rodeios e direita ao ponto fulcral. Fala-se sobre tudo:  jogos, medos, curiosidades, desilusões amorosas, relacionamentos com a família, etc.

Os Youtubers como grandes influenciadores dos nossos tempos

Perante toda esta espontaneidade e sucesso, muitos destes jovens com milhões de seguidores estão, inclusivamente, a tornar-se profissionais bem sucedidos, com patrocínios, convites para spots publicitários televisivos, filmes, entre outros. O número de “YouTubers” está a crescer exponencialmente, e apesar das políticas e regras do YouTube que condenam vídeos polémicos com conteúdo de conotação sexual, violento, exibição de lesões graves e extremismo, linguagem imprópria e assédio, palavrões, para além de assuntos e eventos polémicos, há, infelizmente, muita audiência para este tipo de conteúdo – e muitos YouTubers dispostos a transmiti-lo.

Tal como outras redes sociais, o YouTube deu a milhares de pessoas a oportunidade de expressar as suas opiniões e partilhar com o mundo as suas verdades e crenças, bem como os seus dotes, dons e criações pessoais. Por outro lado, também “encorajou” o ser humano a agir e a expressar certo tipo de comportamentos que jamais os fariam caso não fosse “para pôr no YouTube”, quer a partir de um telemóvel ou mesmo de um tablet. Se ainda não o fez, experimente assistir a alguns vídeos mais impactantes que circulam por aí.

O “pensamento crítico” como competência chave nos dias de hoje

Num mundo ideal, todas estas ferramentas tecnológicas seriam utilizadas somente para bons e dignos propósitos. Mas isto está longe de acontecer. Há muito conteúdo preconceituoso, carregado de ódio e violência, bem como outros promovendo práticas extremamente arriscadas (ex: o típico vídeo de um YouTuber a pendurar-se por apenas um braço no topo de um arranha-céus).

Já diz o ditado, “se não consegues vencê-los, junta-te a eles”. E nunca é demais reforçar que sim, estes são as grandes influências dos nossos filhos, e é necessário encarar esta realidade com naturalidade para nos posicionarmos adequadamente como pais e educadores.

Com ou sem tecnologia, o incentivo ao pensamento crítico e à disciplina, o respeito às regras e valores morais devem sempre prevalecer. A incapacidade dos pais de lidar da melhor forma com a tecnologia não afasta ou diminui a responsabilidade moral e legal de conduzir a educação dos filhos. Participar na vida digital dos seus filhos inclui direccioná-los adequadamente a utilizar os recursos tecnológicos da melhor forma possível. Pais e filhos precisam também de estar correctamente informados sobre os riscos e oportunidades que as novas tecnologias abrem. 

E então, conhece os “YouTubers” favoritos do seu filho/a? O tempo que o seu filho/a passa a ver vídeos desses “YouTubers” tem revelado comportamentos conflictuosos com a família? Ou o seu filho/a, possuindo informações e orientações adequadas, é capaz de escolher bons “Youtubers” e deixar de lado os maus, aprendendo com estes exemplos negativos o que não deve fazer?

Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos lecionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de atuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code leciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projetos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.
Para saberes mais, vê os nossos cursos e segue-nos:

   face   insta   twitter    pint

Como abordar os perigos da Internet com as crianças?Porque a sua filha deve aprender programação