Crianças empreendedoras: 9 casos de sucesso para conhecer

Crianças empreendedoras: 9 casos de sucesso para conhecer

É possível ser dono de um negócio de sucesso antes de completar os 18 anos? É cada vez mais normal ouvir histórias de crianças que estão a empreender em diversos sectores. Afinal, hoje em dia crescem rodeadas por uma enxurrada de informações e são estimuladas ao empreendedorismo desde a infância, mesmo que inconscientemente.

Além do óbvio benefício financeiro, incentivar esse perfil  de empreendedoras inclui ainda outros pontos positivos. É fundamental o desenvolvimento de competências para enfrentar os desafios do século XXI, como maturidade, proactividade e capacidade de raciocínio lógico e tomada de decisão.
É um assunto pelo qual tem interesse? Então conheça nove casos de crianças empreendedoras bem-sucedidas!

1. Robert Nay

Robert tinha apenas 14 anos quando foi apontado como o novo Mark Zuckerberg. Isso porque este rapaz é o autor do jogo Bubble Ball, jogo que tirou o famoso Angry Birds do topo da lista dos mais descarregados na Apple Store, em 2011.
O rapaz utilizou tutoriais disponíveis na Internet para aprender a programar o jogo, e fez tudo a partir da sua casa através de um simples computador. O baixo investimento e a humildade do processo é ainda mais relevante quando se tem em consideração a equipa, composta por 17 engenheiros, que foi usada para desenvolver Angry Birds.

2. Melissa e Nicole Jakubovic

O YouTube tem-se mostrado um espaço bastante democrático: é possível encontrar vídeos sobre tudo, feitos por qualquer tipo de pessoa — incluindo crianças. Os youtubers estão no top, e foi nesse mundo que as gémeas Melissa e Nicole mergulharam, com o auxílio da mãe, Camila Jakubovic.
O “Planeta das Gémeas” é um dos maiores canais infantis do Brasil no YouTube, com mais de 10 milhões de subscritores. Desde 2006, foram 477 vídeos produzidos, abordando temas divertidos e variados com brincadeiras, canções, pequenas peças de teatro, vlogs e outras peripécias.
Elas são verdadeiros prodígios do empreendedorismo infantil, tanto que o canal cresceu e se transformou, também, numa peça. O espectáculo “O Planeta das Gémeas ao vivo” passou por inúmeras cidades brasileiras e foi um sucesso de bilheteira. Além disso, o projecto das irmãs, como verdadeiras empreendedoras, resultou em dois livros publicados e uma loja online.

3. Bela Bagunça

Isadora Castro é outra criança youtuber de sucesso no Brasil. Com mais de 9 milhões de seguidores na rede social, o canal Bela Bagunça traz conteúdos com histórias, brincadeiras, desafios e situações engraçadas para meninas e rapazes.

4. Leanna Archer

Leanna é de Nova York e ficou conhecida como a rainha dos produtos para o cabelo. A fama teve início quando ela começou a produzir artesanalmente e a comercializar, aos 8 anos, esse tipo de artigo com base numa receita da sua avó haitiana.
Alguns amigos demonstraram interesse pelo produto que a menina usava nos seus próprios cabelos. Após um período de distribuição de amostras grátis, surgiu a ideia de abrir o negócio. Actualmente, Leanna’s Essentials é uma empresa de sucesso que tem diversos materiais para cabelo, rosto e corpo.

5. Isaac do Vine

Outro fenómeno da web, Isaac do Vine é um rapaz divertido, desenvolto e versátil de apenas 10 anos que colecciona milhões de seguidores — ou anjinhos, como ele gosta de chamar — no YouTube. Actor e humorista, o pequeno usa o canal para compartilhar peripécias infantis e histórias com guiões que tem origem em ideias baseadas no quotidiano da família.
Além do canal, Isaac participa no programa “Vai que Cola” do Multishow e tem um livro publicado. “O Livro do Isaac – Para Fortalecer a Amizade” é uma espécie de biografia com narrativas da mãe, Iasmin Guedes, e do tio, Ícaro.

6. Asia Newson

Asia apresentava um espírito empreendedor desde muito nova: aos 5 anos já ajudava o pai no negócio da família, fabricando velas. Determinada, aos 11 anos a menina criou a sua própria empresa, a Super Business Girl, na qual produz e vende velas.
E não pára por aí: a pequena empresária também se preocupa com os menos favorecidos e usa o capital social do negócio para ajudar outras crianças a desenvolverem os seus talentos para se poderem tornar, como ela, empreendedoras.

7. Ashley Qualls

Ashley tinha apenas 14 anos quando se estreou como empreendedora. Ela criou o Whateverlife.com para oferecer, gratuitamente, layouts do MySpace e tutoriais em HTML. Com apenas três anos de funcionamento, o site tinha cerca de 4 milhões de visualizações.
O que começou como uma brincadeira com tutoriais para amigos tomou grandes proporções, e rapidamente os layouts de Ashley para a rede social fizeram tanto sucesso que o próprio Brad Greenspan, co-fundador do MySpace, fez grandes ofertas pelo negócio.

8. Evan Moana

Evan é outra criança empreendedora que soube aproveitar o YouTube para ganhar dinheiro. No canal EvanTubeHD, os vídeos são, basicamente, dele a receber, testar e avaliar brinquedos. Dessa  forma, os seus mais de 6 milhões de seguidores sabem se vale a pena ou não fazer aquela aquisição.
Trata-se de mais um desses casos de empreendedorismo infantil que provam o quanto a alfabetização tecnológica para as crianças do século XXI é fundamental para garantir um desenvolvimento integral da criança.

9. Anshul Samar

Existe alguma coisa melhor do que aprender a brincar? Foi essa a ideia que Anshul teve aos 12 anos, quando desenvolveu o Elementeo, um jogo de cartas sobre a Tabela Periódica cuja proposta é tornar a aprendizagem da química mais divertida.
As primeiras vendas aconteceram quando ele tinha 14 anos, e todos os 5 mil jogos produzidos esgotaram rapidamente. Desde então, Anshul fez algumas actualizações e até criou uma versão do jogo em aplicação (app).
No Elementeo Chemistry Card Game, cada elemento da Tabela Periódica tem a sua própria personalidade: o Oxigénio transforma-se em Aquecedor de Vida de Oxigénio e o Iodo em Iodo Sereia, por exemplo.
O jogo consiste em fazer combinações para produzir compostos e interagir com propriedades e estados de oxidação. O objetivo é capturar os electrões de seus oponentes e reduzi-los a zero.

Existem muitas crianças empreendedoras que são visionárias e servem de inspiração aos adultos. Elas demonstram que não há idade certa para lutar pelos seus sonhos, especialmente quando se tem criatividade e dedicação.
No entanto, é importante lembrar que tudo isso é resultado dos conhecimentos adquiridos com o tempo. Muitos pequenos, inclusive, tiveram a tecnologia como aliada para conquistar posições de destaque. Os seus filhos também podem chegar longe e serem crianças empreendedoras, aprendendo a lidar com as novas tecnologias na Happy Code!


Gostou das histórias dessas crianças empreendedoras? Deixe-nos um comentário e partilhe a sua opinião!

Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos leccionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de actuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code lecciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projectos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.

0 Comentários

Deixe um comentário