O que precisa de saber sobre o desenvolvimento cognitivo

O que precisa de saber sobre o desenvolvimento cognitivo

Aquilo que vivemos na infância tem um impacto directo naquilo que seremos no futuro — e isso inclui a forma como aperfeiçoamos a nossa cognição. Observar e estimular o desenvolvimento cognitivo das crianças é fundamental para garantir o seu bom desempenho na fase adulta.

Essa supervisão próxima ajuda a identificar precocemente possíveis problemas e a encontrar soluções com rapidez. As crianças evoluem de maneira natural com velocidades e formas distintas, de acordo com o ambiente em que vivem e com as suas características pessoais.

Acompanhar a evolução delas, além de ser muito importante, é mais simples do que parece e não exige conhecimentos aprofundados sobre o assunto. Gostava de saber um pouco mais sobre desenvolvimento cognitivo? Basta continuar a ler!

O que é o desenvolvimento cognitivo?

A cognição é uma parte do nosso sistema cerebral. Ela define a forma como apreendemos, armazenamos e aplicamos conhecimentos. É à cognição que nos referimos, por exemplo, quando abordamos a memória ou a capacidade de atenção.

Esse termo também reflecte a nossa capacidade de resolução de problemas, o uso das linguagens e o raciocínio lógico-matemático. Como o nome indica, o desenvolvimento cognitivo é o modo como a nossa cognição evolui durante a vida.

A par das capacidades motoras e emocionais, trata-se de um dos pilares do crescimento intelectual infantil, com direito a uma área da psicologia exclusivamente direccionada para o seu estudo.

O cérebro dos bebés é muito mais activo que o dos adultos. Forma milhões de ligações nos primeiros anos de vida e desenvolve as competências necessárias para que todo o seu organismo se coloque num funcionamento perfeito.

No caso da cognição, não existe uma evolução padrão que ocorra em todas as crianças — cada um de nós tem as suas peculiaridades. Entretanto, alguns processos são comuns em determinadas idades, tornando possível estimular o desenvolvimento de maneira fácil e assertiva. Falaremos mais sobre essas etapas no próximo tópico.

Quais são as etapas desse desenvolvimento?

Há diversas correntes de estudo sobre o desenvolvimento cognitivo, cada uma a identificar de forma diferente as etapas em que ele acontece. Aqui, usamos como base a teoria de desenvolvimento de Jean Piaget, considerado um dos pais do construtivismo e um dos mais famosos estudiosos da psicologia infantil.

Piaget divide o desenvolvimento das crianças em quatro fases, sendo que a última delas começa por volta dos 11 anos. Veja a seguir um resumo de cada uma das partes.

Sensorial-motor

Trata-se da primeira fase do desenvolvimento cognitivo, correspondendo mais ou menos aos dois primeiros anos de vida da criança. Nesse período, o bebé percebe o mundo através dos órgãos sensoriais — aquilo que existe para ele é o que pode ser visto ou tocado. É por isso que a criança chora, por exemplo, quando a mãe sai do seu campo de visão.

Nessa etapa a criança começa a desenvolver acções com objetivos práticos, como chorar quando sente fome ou sono.

Pré-operatório

A fase pré-operatória começa com o aparecimento da linguagem, logo que a criança aprende a articular palavras com sentido e a associá-las a pessoas ou objetos. Geralmente, dura dos dois aos sete anos.

Uma das principais características desta fase é o egocentrismo — a criança deseja tudo para si e ainda não sabe como colocar-se no lugar do outro. Nesse período é normal ter problemas para brincar com os seus colegas de escola ou amigos, entrar em conflito com os irmãos e querer comprar tudo que vê.

Operatório concreto

Dos sete aos 11 anos a criança passa a entender o mundo e o seu lugar nele. É nesse período que costuma acontecer a famosa fase dos porquês — a criança procura saber de onde vêm as coisas e como funcionam.

Também é nesta etapa que os mais novos começam a fazer associações, percebendo que toda a acção gera uma reacção. Trata-se de um bom momento para reforçar que comportamentos negativos trazem más consequências.

Operatório formal

O período operatório formal consiste no último estágio do desenvolvimento cognitivo infantil, segundo Piaget. Ele começa por volta dos 11 anos e termina quando se chega à fase adulta. Nesse momento, desenvolvem-se as capacidades mais complexas, como o pensamento lógico-dedutivo e a capacidade de abstracção.

A criança compreende conceitos subjetivos e não precisa mais de basear os seus pensamentos em objetos palpáveis. Consegue elaborar hipóteses e associar uma informação a outra para criar um conhecimento novo.

O que fazer para estimular o desenvolvimento cognitivo das crianças?

Todas as fases apresentam particularidades e podem ser estimulada de maneiras distintas. Nos primeiros anos de vida, por exemplo, o ideal é apostar em actividades mais lúdicas, ligadas aos sentidos da criança, com o uso de sons, cores, movimento e texturas.

Na segunda fase, é possível estimular a criança com jogos que associam palavras a objetos, por exemplo. Na quarta, é importante aproveitar a curiosidade natural dos mais novos para os incentivar a procurar conhecimento.

Lembre-se da relevância de não perder a paciência e estar disponível para explicar várias vezes o funcionamento de cada coisa. Na última etapa, invista em jogos de raciocínio lógico, competições e brincadeiras com investigação.

Uso da tecnologia

A tecnologia está presente na vida das crianças e traz excelentes contribuições para o desenvolvimento cognitivo infantil quando os seus recursos são aproveitados da forma correta. Jogos e vídeos na internet, por exemplo, são excelentes estímulos que estão disponíveis na palma da mão.

Nas fases mais avançadas da evolução cognitiva, pode-se ir um pouco mais a fundo no uso da tecnologia: em vez de só utilizar, por que não aprender a produzir?

Aulas de programação ou outras actividades criativas figuram como interessantes modos de desenvolver o raciocínio lógico e a capacidade de resolução de problemas complexos, competências muito importantes na vida adulta. Além de todos os benefícios, a tecnologia ainda oferece tudo isto de uma forma agradável, sem se tornar algo massificante e cansativo.

O desenvolvimento cognitivo é complexo, mas pode ser acompanhado e estimulado de maneira simples, mesmo por quem não tem conhecimentos aprofundados na área. É importante ter e dar atenção aos detalhes e acompanhar a criança de perto para assegurar um desenvolvimento equilibrado e saudável.

Gostou deste assunto? Então siga-nos nas redes sociais: a Happy Code está presente no Instagram, no Facebook, no YouTube e no Twitter!

Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos leccionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de actuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code lecciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projectos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.

0 Comentários

Deixe um comentário