Porque o seu filho precisa de desenvolver competências socio-emocionais?

Porque o seu filho precisa de desenvolver competências socio-emocionais?

Nos dias de hoje oferecer apenas o conteúdo didáctico das escolas já não é o suficiente para uma boa educação. Além das competências técnicas, os jovens precisam de desenvolver e conhecer as suas competências socio-emocionais. Elas não são apenas importantes na área profissional e académica, mas também no aspecto pessoal.

Essas competências nascem com os indivíduos, mas podem ser trabalhadas, incentivadas e desenvolvidas ao longo da formação. Para isso, esse assunto deve ser iniciado desde muito cedo, na educação básica e no convívio familiar. O objetivo desse desenvolvimento é formar cidadãos que vão saber lidar com as suas próprias questões e com outras pessoas da melhor forma possível.

Foi a pensar nisso que preparámos este artigo, para que entenda como o desenvolvimento de competências socio-emocionais é importante para a criança.

O que são competências socio-emocionais?

As competências socio-emocionais envolvem uma série de capacidades para lidar com as emoções, relacionar-se com outras pessoas e gerir objectivos de vida. Tudo isso abrange o auto-conhecimento, a empatia, a resiliência e o espírito de colaboração.

Isso é essencial para que os seres humanos possam conviver em sociedade e construam relações mais saudáveis. Essas aptidões são necessárias em diversos contextos, integrando os processos relacionados com o conhecimento, aprendizagem, forma de ser, trabalhar e conviver. As seis competências socio-emocionais reconhecidas são:

  • colaboração: importante em qualquer ambiente, pois ninguém vive sozinho e precisa de outras pessoas. Aqui, são necessários três pontos, como saber ouvir, ser empático e propor soluções com base na ideia colectiva;
  • criatividade: procura tirar o aluno da zona de conforto. Quando estimulada, ajuda a ligar ideias e cria soluções que não são óbvias;
  • comunicação: saber transmitir boas ideias a outras pessoas é muito importante. Todas as informações precisam de ser transmitidas de forma clara e de ter um propósito. Uma comunicação bem feita é capaz de melhorar qualquer resultado;
  • proactividade: faz com que cada indivíduo tenha liberdade e capacidade para iniciar e implementar qualquer projecto;
  • pensamento crítico: permite identificar e analisar diversos pontos sobre um mesmo assunto. Para isso, é preciso saber filtrar cada um deles e validar as informações. Além disso, essa característica relaciona-se com a disposição para repensar opiniões com base em diferentes ideias;
  • perseverança: é a capacidade de se planear para atingir algum objetivo e colocar esse planeamento em prática, sabendo que vão surgir obstáculos no caminho. Essa característica impede que as pessoas desistam dos seus sonhos.

Como elas impactam o futuro de qualquer pessoa?

Com o passar dos anos, surgem muitas profissões, enquanto outras deixam de existir. Com tantos avanços tecnológicos, as empresas precisam de algo mais do que colaboradores com conhecimentos técnicos e passam a ambicionar outras características, especialmente as socio-emocionais.

Com relação às competências académicas e práticas, o que as organizações procuram não é apenas o que o profissional domina, mas como aplica o conhecimento. A parte socio-emocional prepara exactamente para isso e para os desafios encontrados no caminho.

Assim, os alunos vão saber enfrentar os seus problemas e as barreiras que encontram na carreira. Eles também vão estar melhor preparados para lidar com as características particulares das outras pessoas.

Qual é a sua importância no desenvolvimento das crianças?

Aproximar o desenvolvimento de competências socio-emocionais do ambiente escolar dá espaço a uma formação mais completa e tem impacto positivo no bem-estar ao longo de toda a vida. Isso acontece porque o ser humano é uma espécie muito sociável e suas características podem ser aperfeiçoadas antes e depois do período escolar.

Ajuda a ter foco para alcançar os objetivos

Essas competências são ainda mais úteis para a organização, o planeamento, a acção integrada, a tomada de decisões e para o estabelecimento do foco. Isso significa que, além de receber técnicas e conhecimentos característicos da área de formação escolar, é fundamental que a criança seja capaz de controlar as suas emoções e sentimentos a fim de gerir o seu comportamento, para alcançar os seus objetivos.

Orienta a ter equilíbrio nas relações interpessoais

Pensando no futuro, as competências socio-emocionais, por si só, não asseguram o sucesso na profissão. Porém, ajudam a manter o equilíbrio nas relações interpessoais, o que é muito importante para a carreira de qualquer pessoa.

Colabora para o bom desenvolvimento profissional

Ao desenvolver e praticar as competências socio-emocionais dentro e fora da escola, a criança terá melhores condições de gerir, identificar e resolver problemas relacionados com a sua própria rotina. Isso reflecte-se na vida profissional, especialmente nos trabalhos em equipa.

Como a tecnologia auxilia no desenvolvimento destas competências?

As competências socio-emocionais influenciam, de maneira directa ou indirecta, diversos pontos da vida e são fundamentais para transformar as crianças em adultos mais felizes. São competências que vão além da matemática ou do português e envolvem trabalho em equipa, independência, estabilidade emocional, colectividade e até saber lidar com o sucesso e as frustrações, desenvolvendo auto-estima.

Nesse sentido, a tecnologia é uma excelente aliada na promoção da inclusão — uma questão muito importante para o ensino de qualidade. Conhecer outros modelos sociais, aprender a conviver com as diferenças e aperfeiçoar a linguagem são alguns benefícios de uma educação inclusiva. Hoje, é possível encontrar várias tecnologias que auxiliam na inclusão de alunos e estimulam a convivência.

Com o uso dessas ferramentas, a escola pode trabalhar as competências socio-emocionais de forma lúdica, através de brincadeiras e jogos. As mesas digitais, por exemplo, ajudam a desenvolver características como raciocínio lógico, atenção, memorização, paciência, coordenação motora e resolução de problemas. Enquanto se divertem, as crianças estreitam e desenvolvem vínculos emocionais, afectivos e sociais.

Como os jogos digitais captam a atenção dos mais pequenos, esse interesse faz com que eles sejam ferramentas eficazes para promover desafios e estimular competências. A simples interacção com os jogos pode tornar as crianças mais observadoras, curiosas, comprometidas e concentradas.

Porém, para que a tecnologia facilite o crescimento socio-emocional, é preciso que os recursos escolhidos tenham um propósito educativo e estejam inseridos no contexto pedagógico.

As competências socio-emocionais estão a ser cada vez mais debatidas e devem ser estimuladas na escola, em casa e em qualquer ambiente em que as crianças estejam inseridas. Ao serem desenvolvidas desde a infância, ajudam a formar adultos mais preparados para enfrentar os desafios da vida.

Achou este assunto interessante? Então, complemente a leitura e veja as nossas 7 dicas práticas para ajudar a desenvolver competências sociais em crianças.

Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos leccionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de actuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code lecciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projectos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.

0 Comentários

Deixe um comentário