Saiba como ajudar o seu filho a superar a timidez na infância

Saiba como ajudar o seu filho a superar a timidez na infância

A timidez na infância é uma característica comum, mas poucos pais sabem realmente o que fazer perante isso. É importante perceber as crianças e procurar ajudá-las desde cedo, sem forçar ou pressionar.

Com o devido suporte, consegue auxiliar o seu filho na vida escolar, mas também nas relações sociais com a família e com amigos. Assim, ele melhora no presente e desenvolve-se para o futuro.

Veja os tópicos a seguir, para descobrir algumas boas dicas sobre como ajudar a criança com essa característica de forma saudável.

A timidez na infância

A timidez é recorrente na vida de muitas pessoas quando estão na fase inicial da jornada. Muitas vezes, é uma característica da personalidade delas e nem sempre é algo totalmente mau.

Em alguns casos, as crianças melhoram naturalmente com o passar do tempo e amadurecimento. Principalmente se houver um acompanhamento adequado dos pais.

Quando pode ser um problema

No entanto, quando a timidez é excessiva e prejudica directamente as relações sociais, passa a ser um problema. Se as crianças preferem ficar isoladas e não conseguem interagir com pessoas da mesma idade ou familiares, por exemplo, pode ser um sinal de algo que deve ser trabalhado.

Nesse caso, sentem-se expostas e preocupadas com o julgamento das outras pessoas. É um sintoma que está associado à ansiedade e com uma sensação de insegurança e medo irreal.

Pode ser, por exemplo, com o contato com novas pessoas ou em situações de relações sociais, como festas. Então, as crianças sentem-se determinadas a evitar o contato e fecham-se.

Geralmente, encontram um refúgio, como um hábito ou actividade, e prendem-se a ele. Por isso, é fundamental que os pais aconselhem e ensinem que essas coisas de que gostam podem ser usadas, mas sem o sacrifício dos relacionamentos.

É importante tentar auxiliar e ensinar os seus filhos que o que eles enfrentam não é uma doença, mas pode ser melhorado com o tempo e com paciência. As crianças precisam de se entender para que se abram aos poucos.

Dicas para superar a timidez

A seguir, vamos apresentar algumas dicas sobre como ajudar o seu filho a superar a timidez excessiva.

Mantenha um diálogo aberto

É fundamental que haja comunicação e diálogo aberto com os pais. Conquiste a confiança do seu filho e faça com que ele se sinta confortável em conversar consigo, livremente.

Assim, a criança vai expor os seus medos, receios e gostos para alguém e vai começar a perceber a entender os benefícios de o fazer.

Aborde as situações difíceis e perceba o que sentem. Assim, os pais conseguem propor soluções que sejam fáceis para eles, um passo de cada vez.

Não force a exposição da criança

É interessante e importante não forçar a exposição da criança quando ela se sentir retraída, pois isso só contribui para que ela se feche ainda mais.

Caso ela não consiga falar numa situação em que esteja em contato com muitas pessoas, respeite esse seu momento e a sua dificuldade. Converse e ensine, mas não exponha ou obrigue.

Se os pais optarem pelo encorajamento e pela paciência com os limites dos filhos, eles crescem mais livres e adquirem mais confiança.

Encoraje o convívio com outras pessoas

Da mesma forma, encorajar o convívio com outras crianças em grupos pequenos pode ser efectivo.

Quando lidam com colegas em parques/clubes/festas, geralmente com gostos e interesses relacionados, elas, aos poucos, aprendem a soltarem-se mais e a dialogar de maneira mais natural e confortável.

Se está dentro de um círculo de amizade, a criança sente que faz parte de algo e isso é muito bom para o seu desenvolvimento. Assim, elas vão começar a confiar nos outros e a cultivar boas amizades.

Ensine que esse tipo de relacionamento é normal na vida e que não há nada a temer. Com o tempo, ela vai perceber e passar a valorizar isso.

Elogie sempre que houver esforço

Para estimular autoconfiança e ajudar a perceber que as relações são boas, pode utilizar o elogio como um reforço positivo. Assim, sempre que elas se esforçarem para sair do isolamento, para interagir e formar laços, serão recompensadas e vão sentir-se mais felizes.

Se os pais conseguem, desde cedo, criar um ambiente satisfatório e agradável quando as crianças se esforçam, vão ser capazes de trabalhar bem os medos e receios delas.

Afinal, elas podem sentir-se deslocadas ou estranhas caso tentem interagir, por causa da dificuldade, mas se mostrar que estiveram bem, isso vai gerar nelas um estímulo para continuarem a relacionar-se.

Evite julgar ou repreender

É importante também evitar julgamentos ou repreensões muito veementes. Por exemplo, não esteja sempre a falar da timidez da criança como sendo algo mau, pois isso pode soar como se tivesse vergonha dela.

Para cooperar com o desenvolvimento de forma sã, converse e seja compreensivo, sem colocar um peso muito grande nos ombros das crianças.

Não deve oferecer um conforto excessivo, como se fosse para reforçar o medo e ansiedade delas e suprimir as tentativas de mudança. Mas também precisa evitar acções fortes demais. O ideal é respeitar o momento, o ritmo e ajudá-las a perceber a condição.

Utilize a tecnologia

A tecnologia pode ser usada para auxiliar no desenvolvimento de competências sociais e na criação, desde cedo, dessa consciência nas pessoas.

Afinal, as abordagens que utilizam ferramentas computacionais, como aplicações e jogos educativos, envolvem interacção e colaboração, o que permite que as crianças se abram de forma divertida e lúdica, sem pressão e ansiedade.

Os jogos, por exemplo, são naturalmente cooperativos, já que envolvem esforços de grupo e competitividade saudável. Neles, é preciso diálogo e união para superar os obstáculos e chegar a um objetivo estipulado.

Devido à integração com os colegas em actividades sociais, poderão desenvolver a empatia e o respeito pelos outros. Tudo isso é feito de uma forma natural e espontânea, com recursos que eles já usam no dia a dia.

Também é possível aproveitar a tecnologia para estimular a autonomia, a criatividade e autoconfiança dos pequenos. Quando se envolverem com novos conhecimentos, universos e possibilidades, eles vão perceber que são capazes de propor ideias, de se comunicar e de liderar.

Os pais precisam de ser pacientes e compreender a evolução dos filhos, sem exigir demais deles. Devem respeitar o ritmo e as mudanças naturais, sempre apontando os benefícios dessas competências sociais.

Com as dicas citadas, é possível estimular um comportamento mais participativo e mais aberto para que cresçam de maneira saudável e cultivem o próprio bem-estar no presente e no futuro.

A tecnologia é útil e efectiva também, pois contribui com diversas características positivas, como o reforço da colaboração, comunicação e da autonomia.

Sobre a Happy Code

A Happy Code é uma escola de programação, tendo como missão formar pensadores e criadores do século XXI. Com uma metodologia de ensino baseada no conceito STEAM (“Science, Technology, Engineering, Arts and Math”), os cursos leccionados incidem sobre a programação de computadores, desenvolvimento de jogos e aplicações, robótica com drones, bem como produção e edição de vídeos para o YouTube.

Tendo como premissa de actuação os valores da responsabilidade, da confiança, da inovação e da consciência social, a Happy Code lecciona os seus cursos em centros próprios ou em escolas, empresas, municípios, projectos sociais, centros de estudo, ATLs, entre outros, estando já presente em várias zonas de Portugal.

0 Comentários

Deixe um comentário

gtag('config', 'AW-868132947');