Todas as nossas atividades podem ser presenciais ou online. INSCREVE-TE AQUI!
Início / Happy Blog / Segurança na Internet: o que os pais podem fazer para proteger os filhos?

Segurança na Internet: o que os pais podem fazer para proteger os filhos?

É possível unir segurança na Internet e aprendizagem num só. As novas tecnologias são extremamente benéficas para as crianças. São uma fonte de entretenimento, de aprendizagem, geram curiosidade e ajudam a aumentar a concentração. Com as horas que passam conetados e com a educação digital, os pequenos conseguem otimizar as suas competências sociais/cognitivas para crescerem como cidadãos no mundo atual, melhorando a sua performance na escola e nos relacionamentos pessoais.

Contudo, para garantir estes benefícios, é extremamente importante que os pais tomem cuidado com os seus filhos e garantam a sua segurança na Internet.

É fundamental aprender um pouco mais sobre o assunto, estar atualizado para ajudar as crianças e guiá-las em relação às melhores formas de utilizar as inovações do nosso tempo.

Se quiser compreender melhor o assunto, continue a ler este artigo. Boa leitura!

A segurança dos filhos na Internet

Como referimos, a Internet é muito importante para o desenvolvimento dos seres humanos na atualidade.

É fonte de lazer, assim como de educação, sendo a principal linguagem da modernidade e para as profissões do futuro. A partir dela, são geradas muitas oportunidades e são criadas estratégias de comunicação. Por isso, a sua utilização é indispensável.

Esta tecnologia é extremamente popular e democrática, inclusive entre a população jovem e adolescente. Segundo o estudo TIC Kids Online Brasil, 86% das pessoas entre os 9 e os 17 anos estão conetadas na grande rede.

Dessas, 93% acedem através do telemóvel, segundo a mesma fonte. Isso quer dizer que o telemóvel é um dispositivo com um grande atração pelos pequenos, por isso, merece o devido acompanhamento dos pais.

Justamente por ser aberta a todos, a rede é um grande espaço para mal-intencionados que se aproveitam de quebras de segurança.

Ameaças virtuais

Neste caso, estamos a falar de proteção de dados no sentido mais geral, de vírus, links suspeitos e publicidade. Também estão incluídos nas ameaças virtuais os ataques à privacidade. 41% das crianças já conviveram com ameaças no ambiente online no período analisado pela Kaspersky, e essas ameaças incluem: exposição a conteúdo impróprio, cyberbullying, contacto com estranhos, entre outras ameaças.

Ou seja, a partir da utilização da Internet, é muito fácil que os pequenos deparem com conteúdos mais avançados para o que eles podem ver.

Da mesma forma, podem facilmente envolver-se em atividades de bullying com outros colegas, simplesmente por seguir o que os outros amigos estão a fazer.

Educação digital

É fundamental estar atento ao termo educação digital. Quando referimos este conceito, não estamos a classificar as pessoas que crescem a saber aceder à rede mundial ou que dominam a questão técnica associada às tecnologias.

A educação digital refere-se a técnicas que ensinam os pequenos a utilizar corretamente as inovações para a aprendizagem, o lazer, a curiosidade e o desenvolvimento de skills.

Neste sentido, educação digital significa utilizar a Internet para o crescimento e para alavancar o futuro dos seus filhos. Este fator inclui o desenvolvimento da cidadania digital, consciência do conteúdo que é acedido, assim como do comportamento ideal.

Boas práticas

Nesta secção, vamos conhecer algumas dicas práticas para garantir a segurança dos pequenos na rede mundial de computadores.

Manter um diálogo aberto com os filhos sobre a privacidade

A primeira dica é estabelecer diálogos abertos e claros com os filhos sobre o assunto. Ensine-lhes a importância da privacidade, da proteção online e da necessidade de ter cuidado com certos comportamentos que podem ser prejudiciais.

É fundamental abordar o facto de que a rede deve ser um espaço saudável para eles e também para os colegas.

Dê instruções claras às crianças sobre as redes sociais e do que elas fazem na web, assim como em relação ao contacto com estranhos. As dicas devem ser semelhantes às que os pais já dão quando se trata do mundo não digital.

É importante não assustar os pequenos, mas fazê-los compreender que a tecnologia é maravilhosa e precisa de controlo.

Ou seja, a solução é conversar, incentivar e reforçar. Conversar sobre o valor da privacidade e da segurança, incentivar a reflexão sobre a reputação no mundo virtual e reforçar que as ações da Internet têm consequências.

Orientá-los sobre a partilha de informações online

Especificamente em relação à partilha de informações, é preciso ser ainda mais enfático. Aborde a questão da web ser uma rede aberta, em que várias pessoas têm acesso.

Por isso, ensine que algumas informações pessoais devem ser guardadas com todo o cuidado e apenas partilhadas para quem é de confiança, especialmente a família.

Oriente o seu filho para não confiar totalmente nas pessoas online, porque por trás dos perfis, pode estar qualquer pessoa.

Controlar e limitar o acesso

A conversa é fundamental para que os filhos compreendam o porquê desse trabalho específico com foco na segurança.

Contudo, também é importante tomar ações práticas para reduzir os riscos. Uma delas é justamente o controlo e a limitação do acesso a tecnologias.

Garanta que os dispositivos só são utilizados sob a sua autorização. Aconselhe também para que não sejam utilizados à mesa, por exemplo.

Outra dica é limitar a utilização a apenas duas horas por dia, pelo menos até os 12 anos. Assim, os pais asseguram que as crianças se dedicam também a outras atividades, além das que fazem no universo online.

Monitorizar as atividades

Quando o seu filho estiver a utilizar o computador ou o telemóvel, esteja sempre a monitorizar o que ele está a fazer. É importante não deixar que eles utilizem em quartos fechados, justamente por isso.

Ao acompanhar de perto os pequenos, consegue garantir uma utilização mais saudável, livre dos riscos e perigos que já mencionámos. Deste modo, torna-se mais fácil controlar e garantir que eles estejam a utilizar a Internet para o crescimento, como é o ideal.

Configurar apps para garantir a privacidade

Uma dica associada ao que já referimos é utilizar algumas ferramentas tecnológicas para auxiliar na privacidade e segurança. Antivírus, firewalls e sistemas que filtram acesso são opções interessantes para garantir uma utilização segura.

Matriculá-los em cursos de tecnologia

Cursos de tecnologia, como os da Happy Code, são cruciais para ensinar não só tecnologias modernas e linguagens de programação, mas também ajudam no desenvolvimento de educação e cidadania digital.

Estes cursos focam bastante no uso saudável e adequado da Internet e das redes, de modo a formar cidadãos conscientes e preparados para o futuro.

Os cursos da Happy Code trabalham com temas importantíssimos relacionados com a proteção virtual, tais como:

· Navegação segura.

· Direitos de autor e uso de imagem.

· Respeito e empatia nos meios digitais.

· Vírus e spam.

· Procura eficiente.

· Cyberbullying.

· E conversas com desconhecidos.

Desta forma, é um complemento para o ensino dos pais, reforçando a importância de educar as crianças nesta área.

A segurança na Internet é imprescindível para garantir que esta incrível inovação seja utilizada para o crescimento dos filhos e para o seu desenvolvimento saudável.

Com este cuidado, os pais garantem que as crianças crescem mais sensíveis, empáticas, com competências cognitivas, compreensão da linguagem digital, assim como conhecimento sobre os riscos. Deste modo, é possível não só preparar-se para o mundo no futuro, como também evitar problemas na rede.

0 comentários

Deixe um comentário: